???item.export.label??? ???item.export.type.endnote??? ???item.export.type.bibtex???

Please use this identifier to cite or link to this item: http://tede2.pucgoias.edu.br:8080/handle/tede/3051
Tipo do documento: Dissertação
Título: Fatores de Risco para Infecções em Transplante Renal
Autor: Silva Neto, Manoel Lemes da 
Primeiro orientador: Silva Junior, Nelson Jorge da
Primeiro coorientador: Silva, Nilzio Antônio da
Resumo: Objetivos: Verificar a prevalência de infecções hospitalares (IHs) ocorridas até 30 dias após o transplante renal no Hospital Santa Casa de Misericórdia de Goiânia e analisar os fatores de risco para aquisição de infecção de sítio cirúrgico (ISC) em pacientes submetidos a transplante renal(Txr) e as conseqüências das infecções. Métodos: Foi realizado um estudo retrospectivo no período que compreende janeiro de 2004 a junho de 2006, determinando as infecções hospitalares ocorridas nos primeiros 30 dias após o Txr, e os fatores de risco para a aquisição de ISC e suas conseqüências. Foi elaborada uma ficha como instrumento para a coleta de dados, contendo informações clínicas e demográficas dos pacientes desde a data da internação até a alta hospitalar. Resultados: Foram analisados 108 transplantados renais 49 (45,4%) do sexo feminino e 59 do sexo masculino (54,6%) e os enxertos de doador vivo foram a maioria, 67 (62%) e de doador cadáver 41 (38%). A média de idade foi de 38,1 anos e do período do tempo de internação hospitalar de 16 dias. A taxa de incidência de IH bacteriana nos receptores foi de 35,18% e ocorreu em 28 (25,9%) pacientes, e nove receptores tiveram dois ou mais episódios de infecção durante a internação. Nessa revisão diagnosticou-se 38 episódios de infecção hospitalar bacteriana, 20 (18,5%) casos de infecção do trato urinário (ITU), 9 (8,33 %) de ISC, 3 ( 2,77%) casos de pneumonias, 5 (4,62%) de infecção de corrente sanguínea (septicemia) e outras infecções 1 (0,92 %) caso. Nos primeiros 30 dias, não ocorreu perda de nenhum enxerto e não houve nenhum óbito. O número de episódios de infecção foi diretamente proporcional ao aumento da média e da mediana de internação (p< 0,001). ITU foi a infecção mais incidente e os receptores de enxerto de doador cadáver foram mais propensos á ITU do que os de doador vivo e tiveram mais do dobro de chance de contraí-la (p<0,046; OR=2,363). Cinqüenta e quatro receptores (50%) apresentaram disfunção do enxerto, treze recuperaram a função renal sem a necessidade do tratamento dialítico e 41 (38%) o realizaram fazendo hemodiálise na maioria absoluta dos casos. Órgãos de doador cadáver foram mais susceptíveis à ocorrência de disfunção de enxerto (p=0,001), numa razão de quase vinte vezes maior (OR= 19,600). Na análise multivariada, representaram risco a ISC; tempo de tratamento dialítico pré-tranplante, presença de disfunção de enxerto, necessidade de tratamento dialítico pós-transplante e quantidade em unidades no uso de hemoderivados. Conclusões: Os baixos índices na doação efetiva de órgãos significaram menor número de enxertos de doador cadáver no período de estudo. As IHs bacterianas prolongaram o período de tempo de internação hospitalar. Tempo de duração do tratamento dialítico, disfunção de enxerto, necessidade de tratamento dialítico pós-transplante e aumento no volume de infusão de hemoderivados associados, representaram maior risco a ISC. A disfunção de enxerto ocorreu em maior incidência nos enxertos de doador cadáver. A ITU foi a infecção mais incidente, significando risco para ocorrência de ISC. Receptores de enxerto de doador cadáver foram mais susceptíveis ITU. Reoperações, complicações urológicas e hematomas de ferida operatória, predispuseram à ISC.
Abstract: Objectives: To investigate the prevalence of nosocomial infections (NIs) occurring up to 30 days following renal transplant at the Hospital Santa Casa de Misericórdia in Goiânia and to analyze risk factors for the development of surgical site infection (SSI) in renal transplant recipients and the consequences of the infections. Methods: A retrospective study was performed from January 2004 to June 2006, which determined hospital infections occurring during the first 30 days following renal transplant and the risk factors for the development of SSI and its consequences. A form was designed as an instrument for data collection containing the patients clinical and demographic information from hospital admission to discharge. Result: 108 renal transplants were analyzed, 49 (45.4%) of which were performed in female patients and 59 (54.6%) in male patients. Grafts from live donors totaled 67 (62%) and constituted the majority. Grafts from deceased donors totaled 41 (38%). The mean age was 38.1 years old and the average time of hospital stay was 16 days. The incident rate of bacterial nosocomial infection (NI) in recipients was 35.18% and occurred in 28 (25.9%) patients. Nine of the recipients presented two or more episodes of infection during the time of hospital stay. In this review, 38 episodes of bacterial nosocomial infection were diagnosed, 20 (18.5%) cases of urinary tract infection (UTI), 9 (8.33%) cases of SSI, 3 (2.77%) cases of pneumonias, 5 (4.62%) cases of bloodstream infection (septicemia) and 1 (0.92%) case of other infections. During the first 30 days, no loss of graft or death was observed. The number of infection episodes was directly proportional to the increase in the average and the median time of hospital stay (p< 0.001). UTI was the most prevalent and recipients of grafts from deceased donors were more prone to developing UTI than were recipients receiving grafts from live donors; in addition, the former group had twice as many more chances of developing UTI (p<0.046; OR=2.363). Fifty-four (50%) recipients presented graft dysfunction, thirteen of whom reestablished renal function without the need for dialytic treatment and 41 (38%) of whom underwent it through hemodialysis in the absolute majority of cases. Organs from deceased donors were more susceptible to the occurrence of graft dysfunction (p=0.001), in a ratio almost twenty times higher (OR=19.600). In the multivariate analysis, the following were regarded as risk factors for the development of SSI: time of pre-transplant dialytic treatment, presence of graft dysfunction, need for post-transplant dialytic treatment and number in units in the use of hemoderivatives. Conclusions: The low levels of effective organ donation accounted for a smaller number of grafts from deceased donors during the study. Bacterial nosocomial infections (NI) increased the time of hospital stay. The time of duration of dialysis treatment, graft dysfunction, the need for post-transplant dialytic treatment and an increase in the volume of associated hemoderived infusion represented higher risk of SSI. Graft dysfunction was higher in corpse donors. UTI was the most prevalent, which was regarded as risk for the development of SSI. Recipients of grafts from corpse donors were more susceptible to UTI. Re-operations, urological complications and hematomas of operative wound predisposed to SSI.
Palavras-chave: transplante renal, infecção, fatores de risco.
renal transplant, infection, risk factors
Área(s) do CNPq: CNPQ::CIENCIAS DA SAUDE
Idioma: por
País: BR
Instituição: Pontifícia Universidade Católica de Goiás
Sigla da instituição: PUC Goiás
Departamento: Ciências da Saúde
Programa: Ciências Ambientais e Saúde
Citação: SILVA NETO, Manoel Lemes da. Fatores de Risco para Infecções em Transplante Renal. 2006. 92 f. Dissertação (Mestrado em Ciências da Saúde) - Pontifícia Universidade Católica de Goiás, GOIÂNIA, 2006.
Tipo de acesso: Acesso Aberto
URI: http://localhost:8080/tede/handle/tede/3051
Data de defesa: 15-Dec-2006
Appears in Collections:Mestrado em Ciências Ambientais e Saúde

Files in This Item:
File Description SizeFormat 
Manoel Lemes da Silva Neto.pdf1,35 MBAdobe PDFThumbnail

Download/Open Preview


Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.