???item.export.label??? ???item.export.type.endnote??? ???item.export.type.bibtex???

Please use this identifier to cite or link to this item: http://tede2.pucgoias.edu.br:8080/handle/tede/3081
Tipo do documento: Dissertação
Título: AMBIENTE DE TRABALHO, ESTRESSE E SAÚDE EM MÉDICOS DA REDE MUNICIPAL DE SAÚDE DE GOIÂNIA
Autor: Fraga, Gutemberg da Silva 
Primeiro orientador: Vandenberghe, Luc Marcel Adhemar
Resumo: Nos últimos anos centenas de trabalhos têm relacionado o estresse a uma série de doenças. O presente estudo objetivou investigar estresse em 32 médicos lotados em 3 unidades da Secretaria municipal de Saúde de Goiânia (Go), buscando verificar se há presença de estresse, em que fase se encontra, se há prevalência de sintomas físicos ou psicológicos e as possíveis relações entre o estresse e o trabalho na instituição. Para a coleta dos dados, utilizou-se o Inventário de Sintomas de Stress para Adulto de Lipp (ISSL) (LIPP & GUEVARA, 1994) e o Indicador de Estresse Ocupacional (COOPER et al, 1988). Os resultados obtidos mostraram que 23 médicos (72%) apresentaram estresse. Dezoito participantes (78%) encontravam-se na fase de resistência, e cinco (22%), na fase de quase exaustão. Em 43% dos médicos considerados estressados houve predomínio de sintomas psicológicos; em 35%, predomínio de sintomas físicos; e em 22%, igualmente sintomas físicos e psicológicos. As principais fontes de insatisfação com o trabalho estavam relacionadas a: “maneira como os conflitos são resolvidos na empresa”, “grau de demanda no trabalho”, “forma como a empresa está estruturada”, “comunicação e a forma como a informação é transmitida dentro da empresa”, “grau com que o profissional sente que pode desenvolver ou crescer pessoalmente no trabalho”. As principais possíveis fontes de pressão identificadas foram: “falta de consulta ou comunicação por parte dos superiores”, “participar de reuniões”, “liderança e apoio inadequados dos superiores”, “existência de fatores que estão fora do controle direto do médico”, “tomar decisões importantes”, “lidar com situações delicadas e ambíguas”. Portanto, identificou-se possíveis estressores de ordem organizacional, relacionados às demandas do trabalho e às características próprias do trabalho médico. Considerou-se a necessidade de intervenções focadas no trabalho e no indivíduo, para diminuir ou eliminar os riscos relacionados ao estresse no trabalho, e melhorar a qualidade de vida e saúde dos profissionais.
Palavras-chave: Ambiente de trabalho
estresse
saúde
saúde em médicos
goiânia
rede municipal de saúde
Área(s) do CNPq: CNPQ::CIENCIAS DA SAUDE
Idioma: por
País: BR
Instituição: Pontifícia Universidade Católica de Goiás
Sigla da instituição: PUC Goiás
Departamento: Ciências da Saúde
Programa: Ciências Ambientais e Saúde
Citação: FRAGA, Gutemberg da Silva. AMBIENTE DE TRABALHO, ESTRESSE E SAÚDE EM MÉDICOS DA REDE MUNICIPAL DE SAÚDE DE GOIÂNIA. 2004. 65 f. Dissertação (Mestrado em Ciências da Saúde) - Pontifícia Universidade Católica de Goiás, Goiânia, 2004.
Tipo de acesso: Acesso Aberto
URI: http://localhost:8080/tede/handle/tede/3081
Data de defesa: 13-Dec-2004
Appears in Collections:Mestrado em Ciências Ambientais e Saúde

Files in This Item:
File Description SizeFormat 
Gutemberg da Silva Fraga.pdf975,85 kBAdobe PDFThumbnail

Download/Open Preview


Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.