???item.export.label??? ???item.export.type.endnote??? ???item.export.type.bibtex???

Please use this identifier to cite or link to this item: http://tede2.pucgoias.edu.br:8080/handle/tede/3710
Tipo do documento: Dissertação
Título: TRADUÇÃO, TRANSCRIAÇÃO E FEMINISMO NEGRO EM ALICE WALKER
Autor: Bastos, Camila Rodrigues 
Primeiro orientador: Pinto, Divino José
Primeiro membro da banca: Machado, Lacy Guaraciaba
Segundo membro da banca: Unes, Wolney Alfredo Arruda
Resumo: A presente pesquisa investiga as diferentes formas da tradução nas narrativas de Alice Walker, analisando o processo de tradução interlinguística e cultural das obras A Cor Púrpura e O Templo Dos Meus Familiares, assim como a tradução intersemiótica do livro: A Cor Púrpura. A escolha do objeto de análise baseou-se no anseio de averiguar a escrita de denúncia de Walker, que busca subverter a posição da mulher como ser dominado, por intermédio de uma perspectiva “womanist”, realizada por meio do feminismo negro. No primeiro capítulo é possível constatar marcas da literatura pós-colonial, pois as narrativas ficcionalizam questões como: identidade, sexismo, racismo, misoginia, exploração da natureza, memória e mito, descolonizando a narrativa, por meio de uma atitude contrahegemônica, que investiga culturas indígenas e africanas, assim como os hibridismos culturais que originam personagens mestiços, sujeitos do entrelugar. O segundo capítulo averigua a tradução interlinguística e por último, o terceiro analisa a tradução intersemiótica do romance A Cor Púrpura para o cinema. Para isso, recorre-se a teóricos que estudam o feminismo negro, as teorias da tradução e a literatura pós-colonial tais como Bonnici (2002), Spivak (2000), Bakhtin (2009), Velasco (2012), Bhabha (2002), Said (1995), Canclini (1990), Walsh (2008), Beauvoir (1969), Hooks (2000), Butler (1990), Newmark (1987), Octavio Paz (1971), Campos (1986), Bazin (1991), Stam (2000), Diniz (2005), et al. Com isso, constata-se que houve a domesticação da tradução interlinguística do inglês para o português e para o espanhol, uma vez que os tradutores não conseguiram traduzir a variedade não padrão dos negros do sul dos Estados Unidos para as respectivas línguas. Em relação à transcriação fílmica, Steven Spielberg busca ser fiel ao romance, adaptando para o filme questões como o feminismo negro, a fidelidade entre Celie e Nettie, a relação homoafetiva entre Celie e Shug Avery e o empoderamento da personagem Celie.
Abstract: The present research investigates the different forms of translation in the narratives of Alice Walker, analyzing the process of interlingual and cultural translation of the works The Color Purple and The Temple of My Familiar, as well as the intersemiotic translation of the book: The Color Purple. The choice of the object of analysis was based on the desire to ascertain Walker's writing of denunciation, which seeks to subvert the woman's position as being dominated, through a "womanist" perspective, realized through black feminism. In the first chapter it is possible to verify the marks of the postcolonial literature, since the narratives fictionalize questions such as: identity, sexism, racism, misogyny, nature exploration, memory and myth, decolonizing the narrative, through a counterhegemonic attitude, Investigates indigenous and African cultures, as well as the cultural hybrids that originate mestizo characters, subjects of interlacing. The second chapter examines the interlinguistic translation and, finally, the third examines the intersemiotic translation of the novel The Color Purple for the cinema. For this, it is used theorists who study black feminism, translation theories and the postcolonial literature such as Bonnici (2002), Spivak (2000), Bakhtin (2009), Velasco (2012), Bhabha (2002) , Said (1995), Canclini (1990), Walsh (2008), Beauvoir (1969), Hooks (2000), Butler (1990), Newmark (1987), Octavio Paz (1971), Campos ), Stam (2000), Diniz (2005), et al. Thus, it was found that the interlingual translation of English into Portuguese and into Spanish was domesticated, since translators failed to translate the non-standard variety of blacks from the southern United States into their respective languages. In relation to the film transcription, Steven Spielberg seeks to be faithful to the novel, adapting to the film issues such as black feminism, Celie and Nettie loyalty, Celia and Shug Avery's homosexual relationship, and the empowerment of Celie.
Palavras-chave: Feminismo Negro. Sujeito pós-colonial. Subversão. Tradução. Transcriação.
Black feminism, postcolonial subject, subversion, translation, transcriation.
Área(s) do CNPq: LINGUISTICA, LETRAS E ARTES::LETRAS
Idioma: por
País: Brasil
Instituição: Pontifícia Universidade Católica de Goiás
Sigla da instituição: PUC Goiás
Departamento: Escola de Formação de Professores e Humanidade::Curso de Letras
Programa: Programa de Pós-Graduação STRICTO SENSU em Letras
Citação: Bastos, Camila Rodrigues. TRADUÇÃO, TRANSCRIAÇÃO E FEMINISMO NEGRO EM ALICE WALKER. 2017. 158 f. Dissertação (Programa de Pós-Graduação STRICTO SENSU em Letras) - Pontifícia Universidade Católica de Goiás, Goiânia - GO.
Tipo de acesso: Acesso Aberto
URI: http://tede2.pucgoias.edu.br:8080/handle/tede/3710
Data de defesa: 14-Mar-2017
Appears in Collections:Mestrado em Letras

Files in This Item:
File Description SizeFormat 
CAMILA RODRIGUES BASTOS.pdfTexto Completo2,23 MBAdobe PDFThumbnail

Download/Open Preview


Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.