???item.export.label??? ???item.export.type.endnote??? ???item.export.type.bibtex???

Please use this identifier to cite or link to this item: http://tede2.pucgoias.edu.br:8080/handle/tede/3731
Tipo do documento: Dissertação
Título: Eventos Privados: Perguntas Teóricas e Respostas Empíricas
Autor: Cardoso, João Lucas Bernardy 
Primeiro orientador: Simonassi, Lorismario Ernesto
Primeiro membro da banca: Coelho, Cristiano
Segundo membro da banca: Carvalho Neto, Marcus Bentes de
Resumo: A temática da privacidade, desde que foi inaugurada na literatura behaviorista radical por B. F. Skinner tem sido discutida a nível teórico mas foi tema de poucos trabalhos empíricos. Considerando-se os avanços teóricos recentes na área, nomeadamente: (1) a privacidade como momentânea; (2) relativa a um observador; (3) diferenciada do interno; e (4) mensurável em um continuum público-privado. Propõe-se no presente trabalho a investigação empírica da privacidade com função de duas variáveis, analisadas individualmente nos Experimentos 1 e 2, respectivamente: o acesso às variáveis controladores de respostas momentaneamente privadas, e um histórico de reforçamento em comum. Nos dois experimentos 20 participantes foram divididos em dois grupos: Grupo Base e Grupo Referencial, sendo que a variável dependente analisada foi a probabilidade de ocorrência de respostas verbais dos participantes do Grupo Referencial que correspondiam às emitidas anteriormente por participantes do Grupo Base. No Experimento 1 os participantes foram expostos a conjuntos de estímulos controladores, sendo que os participantes do Grupo Base acessaram oito propriedades de cada um de seis estímulos-palavra simultaneamente, ao passo que os participantes do Grupo Referencial acessaram as mesmas oito propriedades dos seis estímulos-palavra de forma cumulativa em uma série. Os dados do Experimento 1 mostram que, para todos os participantes do Grupo Referencial, a probabilidade de ocorrência de respostas correspondentes variou em função do número de propriedades de estímulos-palavra conhecidas, quanto mais propriedades conhecidas mais a probabilidade de ocorrência de respostas correspondentes. No Experimento 2 os participantes foram expostos a três condições de teste: Linha de Base (L.B.), Teste pós-treino de verbos (T.V.) e Teste pós treino de substantivos (T.S.), sendo que entre o primeiro e o segundo teste (L.B. - T.V.) os participantes foram expostos a um procedimento de escolha de acordo com o modelo no qual foram estabelecidas relações entre formas e verbos, e entre o segundo e o terceiro teste (T.V. - T.S.) os participantes foram expostos a um novo procedimento de escolha de acordo com o modelo no qual foram estabelecidas relações entre formas e substantivos. Foi solicitado a todos os participantes que tateassem os estímulos forma durante as condições de teste. Observou-se que o procedimento de transferência de função controlou a emissão de respostas corretas para todos os participantes do Grupo Base. Para o Grupo Referencial o procedimento de transferência de função foi parcialmente eficiente. Ainda assim, em 13 de 16 participantes a probabilidade de ocorrência de respostas corretas foi uma função de um histórico de reforçamento em comum, sendo que não houve acertos para nenhum dos participantes durante a Linha de Base. Concluiu-se neste trabalho que a privacidade, se descrita conforme determinadas proposições teóricas recentes, pode ser alvo de investigações empíricas que podem fornecer condições para: (1) a melhor descrição das relações de controle envolvidas no episódio verbal; (2) desenvolvimento de uma agenda empírica que possibilite uma análise mais objetiva da privacidade; e (3) uma descrição mais objetiva do papel das inferências na análise de eventos momentaneamente privados, considerando-se o compromisso da Análise Experimental do Comportamento com os pressupostos das ciências naturais.
Abstract: Privacy, since the therm was first used by B. F. Skinner it has been subject of theoretical content, but it received little empirical attention. Considering recent theoretical advances on the problem of privacy, namely: (1) privacy as momentary; (2) relative to an observer; (3) different from intern; and (4) measurable in a public-private continuum. We propose the empirical investigation of privacy as a function of two variables, separately analyzed in Experiments 1 and 2, respectively: the access to the controlling variables of momentary private responses, and a common history of reinforcement. In both experiments 20 participants were divided in two groups: Base Group and Referential Group, being that the dependent variable analyzed was the probability of occurrence of verbal responses of the participants of the Referential Group that corresponded to those emitted previously by the participants of the Base Group. In the Experiment 1 the participants were exposed to a set of 8 properties for each one of 6 stimuli, while the participants of the Referential Group accessed the same 6 sets of 8 properties but cumulatively in a series. The data of the Experiment 1 shows that for all participants of the Referential Group the probability of occurrence of correct answers increased as a function of the number o stimulus properties known. In the Experiment 2 the participants were exposed to three test conditions: Baseline (BL.), Post Verbs-Training Test (V.T.) and Post Noun-Training (N.T.), being that between the first and second tests (BL. - V.T.) participants were exposed to a matching-tosample task and relations between shapes and verbs were stablished, and between the second and the third testes (V.T. - N.T.) participants were exposed to similar matching-tosample task, but the relation stablished were between shapes and nouns. All participants were requested to tact the shape stimuli during the test conditions. We observed that the transfer function procedure controlled the emission of correct answers during the tests for all participants of the Group Base. For the participants of the Referential Group the procedure was partially effective. Yet, for 13 out of 16 participants, the probability of occurrence of correct answers was a function of a common history of reinforcement, being that correct answers didn’t occurred for any participant during the Baseline. We concluded that privacy, if described accordingly with some recent theoretical contributions, may be a subject of empirical investigations that could provide conditions for: (1) a better description of the controlling relations during the verbal episode; (2) the development of an empirical agenda that allow a more straightforward analysis of privacy; and (3) an objective description of the role of inference in the analysis of events that are momentarily private considering the commitment of the Experimental Analysis of Behavior with the assumptions of natural sciences.
Palavras-chave: privacidade; eventos privados; comportamentos verbais privados; análise do comportamento verbal; análise experimental do comportamento.
privacy; private events; private verbal behavior; analysis of verbal behavior; experimental analysis of behavior.
Área(s) do CNPq: CIENCIAS HUMANAS::PSICOLOGIA
Idioma: por
País: Brasil
Instituição: Pontifícia Universidade Católica de Goiás
Sigla da instituição: PUC Goiás
Departamento: Escola de Ciências Sociais e Saúde::Curso de Psicologia
Programa: Programa de Pós-Graduação STRICTO SENSU em Psicologia
Citação: Cardoso, João Lucas Bernardy. Eventos Privados: Perguntas Teóricas e Respostas Empíricas. 2017. 71 f. Dissertação( Programa de Pós-Graduação STRICTO SENSU em Psicologia) - Pontifícia Universidade Católica de Goiás, Goiânia-GO.
Tipo de acesso: Acesso Aberto
URI: http://tede2.pucgoias.edu.br:8080/handle/tede/3731
Data de defesa: 17-Mar-2017
Appears in Collections:Mestrado em Psicologia

Files in This Item:
File Description SizeFormat 
JOÃO LUCAS BERNARDY CARDOSO.pdfTexto Completo2,15 MBAdobe PDFThumbnail

Download/Open Preview


Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.