???item.export.label??? ???item.export.type.endnote??? ???item.export.type.bibtex???

Please use this identifier to cite or link to this item: http://tede2.pucgoias.edu.br:8080/handle/tede/783
Tipo do documento: Tese
Título: MULHERES COM HIV(AIDS) - MEDICINA, RELIGIÃO E FAMÍLIA NO ENFRENTAMENTO DA DOENÇA.
Título(s) alternativo(s): Women with HIV(Aids) Medicine, religion and family in the fight against the disease.
Autor: Pinto, Raimundo Nonato Leite 
Primeiro orientador: Lemos, Carolina Teles
Primeiro membro da banca: Cezne, Irene Dias de Oliveira
Segundo membro da banca: Reimer, Ivoni Richter
Terceiro membro da banca: Araújo Filho, João Alves de
Quarto membro da banca: Pereira, Ledice Inacia de Araujo
Resumo: A infecção pelo vírus HIV-Aids representa um importante problema de Saúde Pública mundial com forte impacto em países em desenvolvimento como o Brasil. Recentemente, temos observado uma feminização da epidemia. Esse fato motivou o desenvolvimento da presente pesquisa, tendo como objeto de estudo mulheres com HIV-AIDS. Os objetivos principais da pesquisa foram apresentar a situação da epidemia no mundo, no Brasil e em Goiás; estabelecer a relação entre a medicina e a religião, inclusive na visão das mulheres soropositivas; destacar os sentimentos das pacientes por se encontrarem portadoras de um vírus com características letais; a importância da religião no enfrentamento desses desafios impostos pela doença; e, por fim, relacionar o papel da instituição família no combate ao HIV-AIDS. A pesquisa foi realizada utilizando-se um questionário aplicado exclusivamente pelo pesquisador em 30 pacientes comprovadamente contaminadas pelo vírus e em acompanhamento médico no Hospital de Doenças Tropicais de Goiânia - HDT-HAA ou na CLIMIPI Infectologia, especializada em tratamento de doenças infecciosas, ambos na cidade de Goiânia. As respostas foram gravadas, transcritas em texto escrito, sistematizadas, algumas delas distribuídas em tabelas e, posteriormente, analisadas. Todas as expressões religiosas mencionadas estão incluídas no Cristianismo. 14 mulheres entrevistadas se declararam evangélicas, 11 católicas e 5 espíritas kardecista. O vírus HIV foi o agente infeccioso mais estudado na história da medicina, o que possibilitou grande avanço no diagnóstico e tratamento da doença, embora ainda não se disponha da cura. A relação da religião com a medicina existe desde a antiguidade, já que uma das atribuições da religião era a cura espiritual e física das pessoas. Para Laplantine (2004), com o avanço da Ciência houve um rompimento provisório dessa relação, voltando-se a encontrar logo após a redução do impacto da secularização. As pacientes estudadas reconhecem a importância dessa relação e demonstraram categoricamente que apreciam e valorizam tanto os conhecimentos médicos quanto a manifestação do fenômeno religioso no enfrentamento da infecção. Os sentimentos mais expressivos manifestados pelas pacientes ao serem perguntadas o que sentiam ao ouvirem a palavra HIV ou AIDS foram: medo, preconceito, sexualidade. O preconceito das pessoas não contaminadas demonstrou-se ser mais importante que o medo de morrer pela doença. Já o desafio provocado pela sexualidade guarda forte relação com os tabus sexuais, sendo a própria Igreja apontada como responsável por boa parte deles. As pacientes deixaram patente a importância da Religião na resolução desses problemas, apesar de alguma contradição em dogmas com forte preconceito da sexualidade. Quanto ao papel da família, os relatos são de famílias que apoiam, mas também das que não apoiam. Nas que apoiam é evidente a manifestação da importância no combate à evolução da doença.
Abstract: Infection by HIV-Aids is a major global public health problem, with strong impact in developing countries like Brazil. Recently, we have observed a feminization of the epidemic. This fact led to the development of this research, having women with HIV-AIDS as an object of study object. The main objectives of this research were to present the situation of the epidemic in the world, in Brazil and in Goiás; establish the relationship between medicine and religion, including the sight of women with HIV; highlight the feelings of patients because they are carriers of a virus with lethal characteristics; state the importance of religion in confronting these challenges posed by the disease; and, finally, relate to the role of the family in the fight against HIV-AIDS. The survey was conducted using a questionnaire as an instrument that was applied exclusively by the researcher in 30 patients infected by the virus and proven in medical follow-up in the Hospital of Tropical Diseases in Goiania-HDT-HAA or infectious diseases CLIMIPI, specializing in treatment of infectious diseases, both in Goiânia. The answers were recorded and subsequently transcribed in written text. The answers were systematized, displayed on tables and subsequently analyzed. All religious expressions mentioned are included in Christianity. 14 women interviewed declared themselves Evangelical, Catholic 11 and kardecist spiritists 5. The HIV virus was the infectious agent most studied in the history of medicine, which allowed great advances in the diagnosis and treatment of the disease, although there is still no available available. The relationship of religion and medicine has existed since antiquity, oncea main task of religion was the spiritual and physical healing of people. For Laplantine (2004), the advancement of science brought a temporary disruption of this relationship, turning to find right after the reduction of the impact of secularization. The studied patients recognize the importance of this relationship and showed categorically that enjoy and appreciate both the medical expertise as the manifestation of the religious phenomenon in confronting the infection. The most expressive feelings expressed by the patients when asked about their feeling when they heard the word HIV or AIDS were: fear, prejudice, sexuality. The prejudice of non contaminated people proved to be more important than the fear of death by disease. Already the challenge caused by the strong guard sexuality relationship with sexual taboos, and the Church itself singled out as responsible for most of them. The patients reconized the importance of religion in the resolution of these problems, although some contradiction in dogmas with strong prejudice of sexuality arose. As for the role of the family, the reports are from families that support, but also those which do not support. In which support is clear demonstration of the importance in combating the disease evolution.
Palavras-chave: religião
saúde
HIV(AIDS)
mulher
família
religion
health
HIV-AIDS
women
family
Área(s) do CNPq: CNPQ::CIENCIAS HUMANAS::TEOLOGIA
Idioma: por
País: BR
Instituição: Pontifícia Universidade Católica de Goiás
Sigla da instituição: PUC Goiás
Departamento: Ciências Humanas
Programa: Stricto Sensu - Doutorado em Ciências da Religião
Citação: PINTO, Raimundo Nonato Leite. Women with HIV(Aids) Medicine, religion and family in the fight against the disease.. 2015. 156 f. Tese (Doutorado em Ciências Humanas) - Pontifícia Universidade Católica de Goiás, GOIÂNIA, 2015.
Tipo de acesso: Acesso Aberto
URI: http://localhost:8080/tede/handle/tede/783
Data de defesa: 31-Mar-2015
Appears in Collections:Doutorado em Ciências da Religião

Files in This Item:
File Description SizeFormat 
RAIMUNDO NONATO LEITE PINTO.pdf1,72 MBAdobe PDFThumbnail

Download/Open Preview


Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.